ABBI – Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial
Blog
Inovação 22 de janeiro de 2018

Biotecnologia Industrial e Indústria 4.0 – Nosso futuro começa hoje

Por Marcelo do Amaral, da GlobalYeast

A jornada por um futuro sustentável e baseado em práticas inovadoras é parte do nosso presente e deverá ser cada dia mais intensificada no futuro próximo. Essa jornada está alicerçada na Biotecnologia Industrial. Hoje parte significativa do nosso transporte utiliza combustível renovável, recorremos aos avanços da medicina com remédios biológicos, usufruímos de bebidas diversas, bio-materiais são realidade na terra e testados no espaço e já é possível comer um delicioso hambúrguer sem carne animal e com toque biotecnológico.

O poder da digitalização possibilitou o processamento e entendimento da informação genética de microrganismos para pesquisa e desenvolvimento de novos processos biotecnológicos. Esse pioneirismo na captura, processamento, entendimento e uso de grandes quantidades de dados colocam a biotecnologia em posição privilegiada. A convergência de inovações será intensificada com o emprego do poder da digitalização e as práticas da Indústria 4.0 no setor da Biotecnologia Industrial.

A Indústria 4.0 traz impactos para modelos de negócios, pesquisa e desenvolvimento e produção industrial. A produção em escala industrial é geradora de gigantesca quantidade de dados, que em volume e riqueza de informação se assemelha ao que é extraído no sequenciamento genético de microrganismos. A digitalização dos processos produtivos e o uso intensivo e distribuído dos dados industriais são algumas das inovações que a Indústria 4.0 aportará para a Biotecnologia Industrial. Exemplo relevante ocorre na fermentação, processo ubíquo na prática industrial. A fermentação é o processo por excelência da Biotecnologia Industrial; ao longo da fermentação se dá a conversão de substrato em produto biotecnológico com o uso de microrganismos inovadores e a geração de ampla malha de dados. No futuro os dados serão capturados, estruturados, interpretados e usados para o acompanhamento em tempo real e controle da fermentação industrial. Será o fim da “caixa-preta” do processo analógico atual da fermentação. A “Fermentação Digital” já começa a ser testada e aplicada em ambiente fabril nos dias atuais.

A Fermentação Digital é apenas um dos muitos exemplos da Indústria 4.0. Novos e maiores avanços ocorrerão e serão necessários. A sociedade necessita que os primeiros avanços da Biotecnologia Industrial sejam aprofundados e disseminados. Trata-se de compromisso de nações e um dever de cada indivíduo com nossos filhos e a geração vindoura.

Nosso futuro começa hoje.

Marcelo do Amaral é CEO da GlobalYeast, empresa de biotecnologia belgo-brasileira, focada no desenvolvimento e implantação de produtos e soluções para a indústria de fermentação.  Engenheiro químico e Doutor cum magna laude pela University of the Basque Country,  tem experiência na indústria de açúcar, etanol e química, academia e consultoria. Como palestrante e presidente da Gorson Reasearch Conference, Marcelo publicou em várias revistas, é inventor de 5 patentes, atua como revisor e combina conhecimento científico e tecnológico com a perspicácia empresarial. Antes de ingressar na GlobalYeast, Marcelo ocupou o cargo de gerente de Tecnologia e Inovação na Raízen.